Notícias
Como tratar a umidade de uma casa

Como tratar a umidade de uma casa

22 de novembro de 2017
https://blogdaengenharia.com/

Normalmente associamos nossas residências como sinal de saúde. É em nossa casa que nos alimentamos, dormimos e tratamos da nossa higiene pessoal – tudo isso para melhorar nossa qualidade de vida.

Acontece que, também em nossas casas, somos frequentemente colocados frente a frente com fungos que podem nos levar a graves problemas pulmonares. O mofo na parede pode ser o causador da sua constante crise de rinite alérgica, por exemplo.

mofo-parede-limpeza-0816-1400x800.jpg

Vivemos em um país tropical que apresenta elevados índices pluviométricos e alta umidade, o que facilita a formação dos fungos. Além disso, pensamos muito em economia em nossas construções e deixamos de lado a qualidade. Muitas vezes não colocamos o mínimo em nossas residências (falta de impermeabilização, por exemplo).

 

 

Mas o que fazer com aquela mancha escura que tem no quarto ou na parede ao lado do banheiro?

9790-c206cc75-d67f-4f34-94d2-de1ab3b8565

Para acabar com essas manchas (bolor), é necessário solucionar a causa: a umidade. Essa umidade, em geral, pode vir de vazamentos ou infiltrações, ou seja, é preciso contê-las. Essa é a medida mais eficaz para acabar com esse mal. Tinta antimofo, aliada com espaços bem arejados podem melhorar a incidência de fungos nos cômodos, mas só um tratamento de vazamentos e infiltrações garante o 100% (ou quase isso).

Outra medida imediatista para melhorar o problema é água sanitária. O cloro presente na água sanitária combate os fungos e se mostra uma alternativa rápida para melhorar a incidência dos fungos no ambiente e, consequentemente, sua respiração. Basta colocar água sanitária em um pano seco e passar nas manchas da parede, logo você sentirá as melhorias.

No mais, é preciso contar com profissionais legalmente habilitados na execução de suas reformas. Contar com um Engenheiro Civil, por exemplo, pode sair muito mais barato que as doenças ocasionadas pela má execução de sua obra.

 

*Artigo enviado pelo leitor José Diôgo Barbosa de Almeida, Graduando em Engenharia Civil – IFAL

 

Comente essa publicao